Corpo Estranho: Quais são os sintomas? Como diagnosticar?


Obstruções gastrintestinais por corpos estranhos são bastante freqüentes em cães e gatos, porém são mais comuns em animais jovens, devido ao seu comportamento alimentar. Em alguns casos, os objetos ingeridos detêm a passagem dos alimentos ou ficam presos, provocando transtornos severos. Corpos estranhos lineares (fios, barbantes, plásticos, faixas de pano...) normalmente ficam retidos na cavidade gástrica (piloro), enquanto o restante (ossos, madeira, pregos, brinquedos...) conseguem atingir o intestino através dos movimentos peristálticos.

Os corpos estranhos no estômago e intestino podem provocar alguns sintomas clínicos, sendo o vômito persistente o mais comum. Em alguns casos, esses corpos estranhos ficam retidos no esôfago, mais comumente na entrada torácica, próximo ao diafragma.

Tanto nos casos de corpos estranhos esofágicos ou gastrointestinais, além do vômito, os animais podem apresentar dor, diarréia, anorexia, prostração, dilatação abdominal e em alguns casos uma massa pode ser palpada.

O diagnóstico é feito através do exame físico, sinais clínicos e de radiografias simples, as quais permitem evidenciar a presença de corpos estranhos radiopacos, em porções variadas do trato digestório, como também, imagens obtidas com administração oral de contrastes positivos para o diagnóstico de corpos estranhos radiotransparentes. Na maioria dos casos observa-se as alças intestinais dilatadas por gás, distribuídas de maneira não uniforme, o que sugere um processo obstrutivo. A ultrassonografia e a endoscopia são exames de grande ajuda, nos casos em que somente o exame radiográfico não foi suficiente.

Alguns corpos estranhos passam por todo intestino sem causar danos à mucosa intestinal, nesse caso não é necessário o tratamento terapêutico. Em casos de obstrução total ou parcial, é indicada a realização de cirurgia.